Como cobrar por serviços fotográficos (Parte IV)

Esta é a quarta e última parte desse texto, as partes anteriores podem ser encontradas pelos links a seguir:

“Introdução” , “Parte I” , “Parte II” , “Parte III” .

 

No capítulo anterior vimos como calcular o valor de realização de uma foto levando em conta os custos fixos, variáveis e a margem de lucro. Também vimos como calcular a depreciação dos equipamentos e como incluir isso nos custos.

Nessa parte veremos como calcular o valor de licenciamento de uma imagem e como repassar o valor dos impostos referentes a notas fiscais. Mas, antes disso, alguns conceitos devem ficar bem claros.

 

Quando cobrar o Valor de Licenciamento de uma imagem?

A resposta rápida é: Toda vez que a sua imagem for usada para gerar dinheiro para outra pessoa ou empresa.

Um fotógrafo de casamento não vai cobrar valor de licenciamento sobre suas imagens feitas para os noivos. Da mesma forma um fotógrafo não vai cobrar valor de licenciamento por um retrato feito para uso privado e pessoal. Entretanto, se o mesmo retrato estiver sendo feito para ser publicado em um editorial sobre aquela pessoa, a cobrança de um valor de licenciamento é correta, pois aquela foto vai ilustrar uma matéria que alavancará vendas de uma revista/jornal/etc. Veículos de comunicação possuem “matérias” e “artigos” para atrair o público. Quanto mais público, mais anunciantes e, obviamente, mais lucro. Se sua foto é parte disso, você tem que receber.

Em publicidade a relação é direta: Sua foto será o centro de uma peça publicitária que visa algum objetivo, geralmente aumento de vendas. Via de regra, quanto mais abrangente for a campanha, maior será a alavancagem de vendas e é correto que você receba proporcionalmente ao tamanho dessa alavancagem.

Isso significa que, quando fazemos fotos para uso privado/pessoal nossa única fonte de lucro será a margem adicionada ao “custo por hora” para formar o “Valor de Venda da Hora”. Nesses casos devemos caprichar na definição dessa margem para garantirmos um faturamento justo.

Quando fazemos fotos para veiculação (editorial ou publicitária), além do valor de realização receberemos também o valor de licenciamento, logo a margem de lucro sobre os custos por hora não precisa ser tão alta. Entretanto, não recomendo que se remova totalmente essa margem de lucro e se pense somente nos custos por hora e no valor do licenciamento. Geralmente os clientes “engolem” o Valor de Realização da Foto e pechincham sobre o valor de licenciamento. Se você já tiver uma margem de lucro embutida no Valor de Realização, melhor para você.

 

Afinal, QUANTO cobrar pelo licenciamento?

Essa é a pergunta de um milhão de dólares, mas (infelizmente) a resposta não é esse valor. Existem algumas formas de chegarmos a valores razoáveis, mas não existe um valor “certo” para cada caso.

Em publicidade a coisa é um pouco mais fácil, pois, como foi dito anteriormente, a relação monetária é mais evidente. Quando entramos em uso editorial é que a coisa complica, pois os valores não estão evidentes.

 

Licenciamento para publicidade:

Via de regra, cobre do cliente algo entre 15 e 25% do valor de tabela do espaço na mídia em questão.

Exemplo:

Um cliente lhe contrata para fazer uma foto para ser usada num anúncio de meia página interna na revista “Contigo”, de abrangência nacional, em uma única edição. O valor que ele vai pagar à revista pelo anúncio é: R$33.200,00 (somente à revista, fora o que pagará à agência de publicidade), logo você pode cobrar de valor de licenciamento algo entre R$4.980,00 e R$8.300,00 (mais o Valor de Realização da Foto e o Repasse de Impostos) para esse uso específico. Se no mês seguinte o cliente quiser usar novamente a sua foto repetindo o anúncio, ele deve pagar novamente o valor de licenciamento (mais os impostos). Nessa segunda inserção o valor de realização não é cobrado (a foto já estava pronta) e é de bom tom dar um descontinho em usos repetidos (uns 10% ou 20%). 

Orçamento com Valores de Realização e Licenciamento

Orçamento com Valores de Realização e Licenciamento

Se a foto for usada em várias mídias o valor deve ser calculado para cada mídia. Obviamente o percentual cobrado pode (e deve) variar de caso a caso. Numa foto que será usada em apenas uma mídia em uma única inserção cobre alto (25%, por exemplo). Se for ser usada em muitas mídias com várias inserções por um longo período de tempo, cobre um percentual menor já que você estará ganhando em função do grande volume.

 

Licenciamento para uso editorial:

Aqui o cálculo é mais difícil já que sua foto não estará diretamente associada a um gasto/investimento monetário por parte do cliente (como no caso da publicidade). Existem diversas mídias com características distintas e muita diferença de uma região para outra.

Nossa única alternativa é sondar o mercado ou recorrer às tabelas de associações e, mesmo assim, praticamente todos os jornais e revistas pagam valores fixos e muito abaixo delas. Entretanto, podem ser ótimas referências para outros serviços como revistas corporativas, livros didáticos, etc.

Duas opções que valem a pena conhecer e ter nos favoritos do seu “Browser”:

Tabela da ARFOC (procure a de fotojornalismo).

Photo Showcase (cálculo automatizado).

 

OBS1: Use a tabela de “horas” da ARFOC como referência para comparar com o seu valor de realização calculado. Preste mais atenção aos adicionais enumerados abaixo da tabela.

OBS2: O cálculo do “Photo Showcase” é bem razoável na parte editorial, mas na publicidade é extremamente benevolente. Nesse caso é melhor ficar com as porcentagens dos valores de publicação.

 

Valor de repasse de impostos:

Como disse na “Parte I” do texto, isso nem deveria ser considerado como um dos elementos de composição do preço, pois é apenas um repasse automático. Entretanto, já encontrei tantos fotógrafos que não sabem que devem efetuar esse repasse e como calculá-lo que resolvi explicar rapidamente.

O que acontece é o seguinte: Você calcula seu preço com base nos seus custos, mas na hora de emitir a nota fiscal surge um custo extra que não tinha como ser calculado antes porque você desconhecia os totais. Não tem escapatória, os impostos que incidem sobre a nota só podem ser calculados no final e DEVEM ser repassados.

Até aqui tudo bem, mas muitos tropeçam no cálculo. Pensam assim: “O subtotal do serviço (Valor de Realização + Valor de Licenciamento) deu R$2.000,00, minha nota gera 10% de imposto, logo o total dá R$2.200,00.”

ERRADO! Nesse caso, ao lançar R$2.200,00 na nota, o imposto gerado será de R$220,00 e, conseqüentemente, você receberá R$1.980,00.

A forma correta de calcular é:

1)    Pegar a alíquota do imposto e subtrair de 100% (Ex: 100% – 10% = 90%)

2)    Transforme o valor resultante de percentual para decimal (Ex: 90% = 0,9)

3)    Divida o subtotal do serviço (Valor de Realização + Valor de Licenciamento) por esse resultante decimal
(Ex: R$2.000,00 ÷ 0,9 = R$2.222,22)

Esse é o valor final que deve ser lançado, pois quando descontado de 10% deixará exatos R$2.000,00.

Com o valor dos impostos calculado corretamente, o preço final do serviço já está determinado: 

Orçamento Completo

Orçamento Completo

 

É claro que existem vários tipos de empresa, com vários tipos de nota e impostos e alíquotas diferentes, você deve calcular com base no seu caso. Muitos fotógrafos “compram” notas de amigos/parceiros que cobram um percentual para cobrir os impostos e ter algum lucro, nesse caso jogue na planilha esse percentual. Essa prática não é exatamente legal, mas é comum. 

 

Entendendo melhor e repensando sua postura:

Não é difícil encontrar fotógrafos que têm resistência aos altos valores apresentados no cálculo da publicidade, o que é bizarro. Seria isso uma síndrome de auto-menosprezo coletiva? Esses se justificam dizendo: ”Nunca vão pagar R$6.000,00 de licenciamento por uma foto para uma única inserção de um anúncio de meia página na “Contigo!”  

Minha resposta é: Para você, que pensa desse jeito sobre o seu próprio trabalho, não vão mesmo!

Parafraseando o texto do Alessandro Dias: PARE DE AGIR COMO PEDINTE!!!

Os caras vão (nesse exemplo) pagar R$33.200,00 para a revista publicar o anúncio. Somando o licenciamento das eventuais modelos (as agências de modelo não são bobas como muitos fotógrafos) e o valor da agência de publicidade, essa conta passa FÁCIL de R$45.000,00. Sua foto será o coração desse anúncio… você acha R$6.000,00 ou R$10.000,00 pouco? Você vai engolir a desculpinha de que eles “estão sem dinheiro”, ou que “o cliente é mão-de-vaca”?

Todo mundo vai, sempre, tentar empurrar o seu valor para baixo. Você vai fazer o mesmo? Se o cliente não tem dinheiro para fazer meia página que faça um terço de página!

Lembre-se que em todos esses cálculos não estão embutidos alguns problemas sérios:

1)    Custo Brasil: Você emite a nota nesse mês e recolhe o imposto nesse mês, entretanto a agência de publicidade vai te pagar faturando em 30 dias, ou em 3x, por exemplo.

2)    Atrasos: Não conheço um fotógrafo que trabalhe com publicidade que nunca tenha tido um pagamento MUITO atrasado (seis meses até).

3)    Calotes: Outra coisa que acontece mais do que as pessoas imaginam. De político em campanha então…

 

Por essas e outras é que você só deve trabalhar com contrato especificando o uso, os prazos, os valores, etc. É verdade que alguns clientes parecem se assustar quando pedimos detalhes do uso da imagem para fazer o orçamento e mencionamos o contrato, alguns simplesmente somem, mas esses clientes são os clientes que você NÃO QUER. Pode ter certeza de que esses são os que estavam “procurando um otário”.

Mesmo com todos esses problemas muitos leitores podem ficar com a impressão errada de que o mercado publicitário é uma maravilha, onde o faturamento é fácil. Não poderiam estar mais enganados.

É ilusão achar que um fotógrafo novato nesse mercado, com pouca estrutura, vai pegar trabalhos de alto orçamento (= alta responsabilidade) com freqüência. Coloque-se no lugar do cliente que está gastando cinqüenta, oitenta, cem mil Reais num anúncio (revista+modelo+fotógrafo+agência+etc.)… o quanto você iria cobrar, chatear e exigir dos seus contratados?

Pra piorar tem a política e as “panelas”. Muito serviço só é passado para os fotógrafos que voltam uma fatia de dinheiro (por debaixo dos panos) para a agência, um “BV” deturpado. (O verdadeiro Bônus por Volume é pago às agências pelos meios de comunicação baseado no volume de clientes que elas levam, não tem nada a ver com prestadores de serviço.)

Fora isso tem sempre o “sumiço dos clientes”. Algumas épocas o seu telefone para de tocar… não entra serviço, as contas não param de chegar e o equipamento não para e depreciar. A maioria dos fotógrafos publicitários que conheço (eu inclusive) passa, em média, três meses do ano com faturamento negativo. Tem que ter a cabeça no lugar para agüentar.

 

Últimas dicas:

Muitos perguntam: “Mas como eu descubro o valor de um espaço na mídia para poder orçar um licenciamento, um anúncio de revista, por exemplo?”

De duas formas ridiculamente simples: Internet e Telefone!!!

A imensa maioria das revistas e jornais possui tabelas de valores de anúncios em seus sites, muitas empresas de outdoor também. Se não tiver, ligue e pergunte. Eles não mordem!

 

Alguns exemplos

Revistas (tabelas para uma inserção de anúncio):

Veja: http://veja.abril.com.br/idade/publiabril/midiakit/precos_revistas.shtml

Playboy: http://www.publiabril.com.br/homes.php?MARCA=36

Caras: http://www.caras.com.br/anuncie/revista/tabela.html

Época: http://editoraglobo.globo.com/publiedglobo_revistas_EP.htm

Contigo: http://www.midiakitcontigo.com.br/prazosprecos.html

 

Outdoors (valores por uma bi-semana)

Adver (RJ): http://www.adver.com.br/precos.asp

Rio Midia: http://www.riooutdoor.com.br/

 

Planilha

Para baixar o arquivo compactado (.zip) da planilha Excel com automatização de todos os cálculos possíveis, clique aqui .

Essa planilha tem algumas células travadas para que não se altere as fórmulas acidentalmente. Entretanto não está protegido com senha, basta mandar desproteger que tudo ficará liberado. As células onde devemos preencher os dados não estão travadas, logo não é necessário desproteger a planilha para usá-la, apenas apague os valores de exemplo e preencha com os seus. 

O Download da planilha está temporariamente suspenso pois o Sr. Salviano Alves Benício Jr está reclamando a autoria da referida planilha. É fato que o Sr. Salviano foi a primeira pessoa a disponibilizar uma planilha para cálculo de custos para download, planilha essa que muito usei mas parei de usar pois não se adequava totalmente a minha forma de calcular e o autor proibia modificações (a planilha era, inclusive, bloqueada por senha). Posteriormente outras planilhas surgiram, com modificações maiores ou menores. Essa planilha que disponibilizei é a alteração da alteração da alteração de uma planilha que recebi de outra pessoa, liberada para uso e modificação. Ao que parece essa pessoa copiou e modificou a planilha do Sr. Salviano e agora ele está reclamando a autoria da minha versão da versão da versão da versão de uma suposta cópia da planilha de custos criada por ele que já circulou a internet e foi modificada diversas vezes, inclusive com adição de conteúdo.

Infelizmente o Sr. Salviano indicou que prefere a retirada da planilha de circulação, prejudicando a difusão do conhecimento, do que a inclusão de seus créditos.  

Tudo bem. Como sou totalmente militante da defesa dos direitos de propriedade intelectual e reconheço claras similaridades em algumas partes de ambas planilhas, suspendi por tempo indeterminado o download da planilha. Por enquanto, quem quiser a planilha escreva para o Sr. Salviano e solicite a dele que, infelizmente, não inclui algumas partes presentes na que disponibilizei.

Até resolvermos essa questão (se resolvermos) o download estará suspenso. Espero que ele escreva algum comentário abaixo fornecendo o link ou alguma outra forma de usuários interessados fazerem download da sua planilha original (ainda que “diferente”). Aliás, se ele desejar, pode incluir as minhas adições na planilha dele e distribuir livremente, não quero nem crédito. Faço o que faço com o único intuito de educar e melhorar o mercado.  

 

Bom… demorou mas acabou.

Comentem, perguntem e, principalmente, divulguem. Todos só temos a ganhar com um mercado mais sólido e mais educado.

 

Abraços.

242 comments to Como cobrar por serviços fotográficos (Parte IV)

  • Olá Geraldo. Muito obrigado pelas explicações.
    Só para ficar claro, gostaria de mais uma explicação: se for tirar foto de um único produto (normalmente tiro até 10 fotos) ou fazer um ensaio de bebê ou de 15 anos (normalmente tiro até 160 fotos) devo sempre me preocupar com o tempo gasto nestes trabalhos e, aí sim, fazer um orçamento??
    Pergunto isto porque, conversando com vários fotógrafos aqui na cidade que moro atualmente (Goiânia) muitos colocam preço individual nas fotos escolhidas pelos clientes (no caso do produto, algo em torno de R$ 40,00 reais por foto). Se o cliente escolher uma foto somente…aí já viu…uma tarde por somente R$ 40,00. O que acha??
    Muito obrigado, antecipadamente.

    • Geraldo Garcia

      Acho loucura Fernando, mas sei que tem muita gente que faz assim. Provavelmente vão quebrar em breve, ou, se derem muita sorte, vão continuar estagnados.
      Foto de produto deve ser orçada previamente, estipulando-se quantidades de fotos que serão selecionadas, tipo e prazo de lincenciameto e, mais importante, preço (que deve incluir a feitura das fotos e o licenciamento). Caso o cliente queira ficar com mais fotos ou usar de outras formas ou por outros períodos, novos valores devem ser acordados. Tudo isso especificado em contrato assinado.
      Fotos de ensaios para pessoas (bebê, 15 anos, etc) geralmente fecha-se um pacote e as fotos acordadas são entregues. Se o cliente quiser mais, paga por foto extra. Essas fotos são entregues para uso não comercial e também deve-se ter contrato especificando tudo.

      Abraços.

  • Chris Quaglio

    Muito bom texto, esclarecedor…

    Infelizmente não são todos que gostam de compartilhar o conhecimento, a experiência,etc.. com o tal Sr “dono da planilha”…

    Se puder me enviar a planilha que montou, com as suas alterações…

    email: chrisquaglio@yahoo.com.br

    Antecipadamente agradeço muito!

    Sds

    Chris Quaglio

  • Inteligente, útil e muito bem humorado. Li o texto e tenho feito algumas reflexões sobre o tema. Muito obrigado.

  • Disponibilizo aqui minha planilha pra quem quiser usar, sem restrições:

    http://goo.gl/9mMl3

    • Primeiramente.. parabéns pela aula!! E até que enfim uma alma boa nos disponibilizando uma planilha… hehhe ..já fiz o download!! Sucesso.

    • Iberlucio

      Ygor,
      favor entre em contato comigo pelo meu e-mail, por favor.
      Sou formado em “estatística” pela Eseb(escola superior de estatística da Bahia)
      e em “Design de interface” pela Facbrasilia, crio que podemos dar uma melhorada na sua planilha.

      meu e-mail: iberlucio@yahoo.com.

      Abraços
      Lucio

    • rodrigo

      Ygor, sua tabela é muito boa mesmo, mas favor verificar, nas horas previstas, o valor das tarefas, ou multiplicando de horas está em cima do custo po hora (guia 2, B26), sem o lucro, q seria B30.

  • Victor

    Sou Freelancer, gostaria de saber quanto cobrar por cada `foto Making-Of` de um programa de Televisao que serao postadas no site da Emissora de tv? obrigado!!

  • Camilla

    Parabéns pelo blog e obrigada pelas dicas,realmente são muito úteis…
    Assim como o Fernando (acima)também moro em Goiânia e também tenho constatado tal desvalorização por parte de alguns fotógrafos…Para algumas empresas de nome reconhecido não se vê problemas mas para quem quer começar oferecendo algo de qualidade mas ainda não tem ¨NOME¨fica difícil.
    Gostaria de um modelo de contrato com as especificações acima,pois,normalmente só se vê contratos à respeito de direitos(licenciamentos e custos nunca entram em questão…e pelo que constatei lendo esse post,são importantes),caso alguem tenha para fornecer ficarei grata.
    E a modelo?O contrato é feito comigo ou com a empresa?Qual seria um preço justo para contratar uma modelo iniciante(com book mas sem experiencia)para tirar fotos para um look book de +/-10 looks(algumas empresas tem atualizações mensais de suas coleções…)?

  • Sou iniciante e fiquei muito feliz em ter encontrado este artigo.
    Já tinha lido um outro, mas era simplificado demais e nesse caso quanto mais detalhes melhor.
    Muito obrigado!!

  • Bino

    Caro Geraldo, obrigado é pouco por essa verdadeira jóia que é seu artigo. Venho tirando fotos há poucos anos e a paixão só aumenta. No ano passado comecei a vender algumas fotos em sites de “stock images”. Fiquei suspreso com o relativo sucesso para um hobbysta como eu. Agora surgiu meu primeiro convite oficial para um trabalho pago. A RP de uma galeria de artes aqui no Rio está me perguntando meu piso. Li todo seu artigo, mas ainda me peguntando, e agora José? Help!

  • Francielle

    Olá!!
    Ainda estou engatinhando nesta profissão, estudando, estudando e estudando… Fiquei muito interessada nesta planilha, se alguém tiver o modelo poderia me enviar?
    fran.m.souza@hotmail.com

    Obrigada desde já!!

  • Muito boa matéria, preciso da planilha também se alguém poder enviar agradeço. neidantas7@gmail.com

  • Apenas um comentário: Fantástico o seu Blog!

  • FABIO SILVA

    Geraldo adorei seu artigo,sera util no futuro,depois de le-lo decidi estudar fotografia.
    Sou fã da profissão mais nunca consegui fazer um curso,falta de tempo,mais agora com tempo ou sem tempo vou correr atras de um curso que me capacite.Muito obrigado!

  • Muito bom o artigo! Parabéns e creio que vai me ajudar e muita gente, Obrigada!

  • juliana

    Muitíssimo útil seu texto! Obrigada!
    Como calcularia o valor de fotos feitas para divulgação em site na internet? Fotos de pousada, por exmplo?
    Agradeço a atenção,
    Juliana

  • Como devo calcular fotos feitas num salão de festas que serão utilizadas em folders e propaganda?
    Agradeço a atenção,
    Obrigado,
    J.KLAUDYUS

  • Cá. N

    Puxa, que pena. Eu realmente precisava dessa planilha pra tentar me organizar.
    Já estudei, já graduei, já fiz freelas, mas eu não sei como cobrar. Não conheço os preços de mercado. Mas vou tentar fazer minha própria planilha seguindo os conselhos que você deu 🙂
    Obrigada!

  • Daiana

    Além de nos ensinar a calcular nossos serviços, isso foi uma verdadeira aula de profissionalismo e humildade!

    Muito obrigada!!!

  • Juliana

    Oi Geraldo,
    gostaria de perguntar se voce poderia me enviar sua planinha por email já que voce nao esta disponibilizando aqui. Achei bem interessante a maneira de cobrar!
    Muito bom o seu site estou aprendendo muito aqui. Sou maquiadora formada mas conhecimento de fotografia é sempre bom para o que eu faço enclusive quero me especializar em fotografia tambem para poder facilitar a construçao do meu portifolio

  • Geraldo, parabéns pela iniciativa.
    Estes seus posts deveriam ser transformados em uma apostila e utilizada em muitas escolas de fotografia.
    Sempre que possível estarei divulgando para novos colegas de profissão.
    Grato pela sua colaboração a classe.

    Flávio Hopp

  • Vinícius Garcia

    Geraldo, parabéns pela aula!

    E como faço para calcular o B.V. das agências?
    Elas repassam esse valor de que forma para o cliente?

    Muito obrigado.

  • Marlene

    Geraldo,

    Fiquei super feliz em encontrar esta aula sobre formação de preços, sou estudante do ensino tecnico de Adm da ETEC e nossa empresa ficticia para apresentação do TCC é um estúdio fotofráfico, ja havia pesquisado muito sobre valores mais ainda não tinha encontrado nada igual.
    Parabéns e obrigada

  • Ronaldo

    Fico muito feliz que existam pessoas como voce que tenta ajudar os novatos, visto que esse é um mercado onde o EGO dos fotografos e muito grande, moro no Japão e vou regressar para o Brasil pra trbalhar com fotografia e estava preocupado com a prostituição do mercado, seu artigo foi muito proveitoso.

  • Gostaria de saber se tem como fazer um calculo padrão por quantidade de fotos. Ex: 200 fotos de casamento em DVD e não impressa.
    Quanto deveria cobrar?

  • Juliana

    Parabéns!
    Gostaria de saber se teria como vc me mandar por e-mail a planilha, preciso muito dela!!!!
    valeww

  • Mujica

    Quanto cobro por algumas(10) fotos já existentes(começo dos anos 80) para serem usadas em longa metragem/ documentário.

  • Carmen Neiva

    Nossa! Parabens pela materia, ficou excelente e realmente muito ultil.
    Parbens mais uma vez.

  • Alessia

    Amei o artigo e vai ser muito interessante pra mim tudo que li. Desde já agradeço a Geraldo Garcia pela disponibilidade e interesse em ajudar. S e alguém tiver as planilhas e puder me enviar, agradeço alessiamesquita@hotmail.com
    Grande abraço

  • Muito Bom Geraldo Garcia.Adorei essa idéia de ensinar na teoria os leigos, e novatos em fotografia, pois muitos deles não tem a mínima noção de como proceder com relação a direitos, contratos, Como cobrar valores do cliente, etc. Bom sou fotógrafo e se gostaria muito também de ressaltar aqui meu interesse em ajudar quem necessitar de mais informações pertinentes ao mundo da Moda e Fotografia. Minha experiencia como fotografo acho que é de berço…meu cunhado,e meu irmao sao fotografos também, mas nem um deles tem o espírito de ensinar.RSRS…Bom se precisarem de mim estarei aqui para também tirar-lhes todas as dúvidas de cameras e iluminação de studio.

    Bom Geraldo poderíamos é realizar um workshop sobre isso…Pessoal uma coisa eu digo “”Quando ensinamos é ai que aprendemos cada vez mais. Certos Profissionais da area nao gostam de compartilhar as suas Técnicas, ou melhor Não gostam de repassar como é feito seu planejamento,por medo de perder clientes e até mesmo seus segredos, do mesmo modo que o Mágico nao gosta de compartilhar sua magica.

    Att
    Fotógrafo Josias Bryan

  • Raíza Hermann

    ÓTIMO TEXTO!!!! Muito bom mesmo. Obrigada pelas excelentes explicações.

  • Bom eu sou o tanto citado fotografo novato, ja tinha ouvido diversos conselhos de amigos que estão no ramo, para evitar cobrar valores que depreciam o nosso serviço, e esse texto veio muito a calhar, pois alem de mostrar exatamente o que esses amigos ja haviam me dito, também me ajudou muito a forma como devo calcular e chegar no valor correto, muito obrigado por compartilhar sua experiencia com nos, novatos… Se nessa area tivesse mais fotografos como você com certeza o problema de preços ridiculamente baixos tenderiam a cair cada dia mais, afinal de contas nao temos como sabermos como funciona até estar dentro….parabens

  • Marcio Souza

    Obrigado ! Geraldo pelas dicas tão importantes…um abraço !

  • ariane

    Foi o melhor texto que li até agora com preços, e sou novato no ramo, mas com essas informações valeu muito, Obrigada…

  • ahhhh.. libera ae sr. planilha

  • Josias

    Parabéns pelo site e por essa matéria de como cobrar por serviços fotográficos. Foi de grande ajuda. Parabéns também pela sua iniciativa de ensinar as pessoas que estão começando!

  • Luize

    Geraldo, estou impressionada com a sua atitude humilde e sincera de orientar e ajudar a todos amantes da arte fotográfica. Sou uma novata na área buscando um tutor, um orientador, e te achei. Muito obrigada pela ajuda!

  • Juliana Oliveira

    Prezado Geraldo, boa tarde,
    primeira coisa, parabéns e obrigada por compartilhar com todos a sua visão, experiência e conhecimento. Segunda coisa: QUE MEDO!!!! Eu estou começando agora (2 anos ja de estudos), mas te digo que a minha maior insegurança é o que cobrar e como cobrar. É um artigo o qual devemos ler varias vezes e observar cada ponto. Acho que vc deveria dar consultoria para quem está começando, direcionamento de carreiras, ja pensou nisso?
    Estou ainda com muitas duvidas, aos poucos vou postando o que eu realmente não entender!
    De qq forma, parabéns e muito obrigada!

  • Camila Gomes

    Olá a todos,
    Sobre os custos de manutenção, o que vocês pensam sobre o seguro dos equipamentos. Vale a pena ou são muito caros para compensar? Os equipamentos fotográficos são muito visados para roubo? Fico um pouco receosa de andar por aí com o equipamento, pois é tudo muito grande e considero que pode chamar a atenção para roubo, mas estou achando o seguro bem salgado e com poucas coberturas (por exemplo não deixa claro no caso de queda da câmera e lentes).
    Muito obrigada,
    Camila

  • Gabi

    Muito bom!

    Gostaria da planilha!
    gabi_ikeda@hotmail.com

    Obrigada!

  • Estou iniciando agora como freela. Passei dois dias pesquisando na internet sobre esse assunto (principalmente) até encontrar o seu blog em um dos comentários de um fórum de fotografia (DigiFórum). Acho que você salvou a minha vida.
    O post é muito bem escrito, didático, e específico! Já indiquei para outros colegas! 😉

  • Emerson Ferreira

    Geraldo,
    Excelente trabalho. Muito claro e didático.
    Parabéns!
    Abraço

  • Geraldo, parbens por todo seu esforço em nos manter sempre informados e atualizados e com uma contribuição grandiosa na profissionalização de vários fotógrafos.
    Solicito algem que tenha recebido a planilha modificada pelo Geraldo ou outra tão boa quanto, que enviem para o email: http://www.renato_souza44@hotmail.com

    Desde já agradeço!!!!!!!

  • Rafael Souza

    Olá, sou completamente iniciante, e tenho uma pergunta que não ficou muito claro pra mim…

    Além do calculo referente aos custos fixos e variáveis e também os recursos humanos, entra no contrato a quantidade de fotos a serem vendidas???

    Tipo, supondo que eu vá fotografar um casamento, seriam feitas em média 150 fotos, mas ai o cliente me pede, sei lá, 200 fotos…
    O valor muda??
    Como é feito esse calculo??

    • Geraldo Garcia

      Olá Rafael,

      Relembro que as primeiras partes deste artigo são referentes a cálculo de CUSTO, então valem para qualquer tipo de fotógrafo. A última parte fala de valores de licenciamento, o que, via de regra, não se aplica a quem faz fotografia social/casamento. Nesse caso os valores (após cobertos os custos) devem variar conforme a prática do mercado. Não atuo nessa área, mas até onde eu sei os fotógrafos de casamento costumam vender “kits” ou “álbuns” com um número predeterminado de fotos e, caso o cliente quira mais fotos depois cobram um valor fixo por foto extra, tudo já estabelecido e acordado no CONTRATO ASSINADO ENTRE AS PARTES ANTES DO CASAMENTO. Via de regra também cobram o valor do “kit” vendido de forma parcelada ANTES do casamento, de forma que no dia da cerimônia já está tudo pago e só fica faltando o valor das fotos extras, caso queiram, que é pago quando SOLICITAM estas após verem as provas.

      Abraços.

  • Geraldo, obrigado pelas explicações. Comecei a fotografar há pouco tempo e, devido à pouca experiência, estava fazendo até aqui, fotografias por R$200,00,R$300,00. A partir desta aula, começarei a me “profissionalizar”, tanto nas fotos quanto no valor a cobrar. Se possível, gostaria que me enviasse por e-mail, a planilha que você usa para fazer os orçamentos.

    Obrigado pela ajuda,

    Marcio Yuzo

  • Marcio Yuzo

    Consegui uma planilha. Porém, surgiu uma dúvida. Como calcular e incluir o valor da depreciação no orçamento, já que estou em começo de carreira e não sei exatamente quantos trabalhos pegarei por mês (SE pegar todos os meses né)?

  • Kelly Tavares

    fantástico o apoio e dicas! valeu!

  • Olá Geraldo, gostei muito das suas explicacões, foram muito esclarecedoras.
    estou comecando a realizar alguns trabalhos com fotografia e esse artigo veio bem a calhar.
    se for possível gostaria que me enviasse a planilha que voce fez, ou me indicasse onde conseguir uma planilha equivalente.

    meu e-mail: awslemos@msn.com

    mais uma vez obrigado e parabéns pelo blog, ja está nos meus favoritos!

  • Geraldo, no caso de um ensaio realizado dentro de uma empresa, onde as fotos dos funcionários e da empresa serão utilizados para a construcão do site desta, como deve ser feito o cálculo do valor de licenciamento das fotos, ja que as fotos serão uzadas enquanto durar o site?

    agradeco pela ajuda.

  • Márcio

    Geraldo, achei bastante esclarecedor o seu artigo, mas tenho uma dúvida. Fui contactado para realizar a cobertura fotográfica de evento esportivo para escola (intercolegial). Serão diversos eventos no decorrer do ano e como seria o caso do licenciamento para este caso?

    Desde já agradeço.

    Márcio

    • Geraldo Garcia

      Eles é que tem que te dizer para que fim querem as fotos. Se for somente para registro e exibição interna não tem licenciamento, eles te pagam pelas suas diárias e não podem usar as fotos para outros fins (publicidade por exemplo). Se forem usar as fotos para outros fins então você tem que saber direitinho que fins são esses para poder orçar e tudo, em qualquer uma das hipóteses, tem que constar no seu contrato com eles.

      Abraços.

  • Anna Verônica

    Maravilhosa sua matéria!!!
    De extrema ajuda para quem está começando, como eu!!!
    Parabéns!!!!!!!!!
    Abs,
    Anna.

Deixe uma resposta

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>